sábado, 3 de setembro de 2016

A História dos Oprimidos


A história dos oprimidos não está nos livros, nem nos arquivos históricos, muito menos em discursos políticos ou acadêmicos.

Tudo isso são versões dos opressores.

A história 'oficial' é a que esconde as versões de quem sofreu a injustiça e a opressão. Se quisermos descobrir o que de fato aconteceu não será nos registros oficiais.

A história dos oprimidos está onde a memória da língua nativa ainda resiste aos colonizadores.

A história dos derrotados é escrita com sangue, suor e lágrimas. E é lida em cada rosto sofrido, na boca desdentada, no corpo embrutecido que ainda dança, joga capoeira, conta histórias a 'boca pequena' ao 'pé-do-ouvido' de quem confia.

Não é na lata do lixo da história (lugar de golpistas)  que vamos achar os testemunhos de opressão, genocídios e exclusão dos pobres.

Essa história dos excluídos vamos achar nas culturas populares onde os registros 'não-oficiais' são transmitidos de mestres para aprendizes.

Quando a história dos oprimidos começa a ser escrita  as versões dos opressores vão para a 'lata do lixo da história'.

A Nossa História

Conto a nossa história
Para meus filhos
Com minhas mãos calejadas
Meu corpo embrutecido
Na batalha cotidiana do pão

Conto a nossa história
Para comadres e compadres
Com minha boca desdentada
Meu rosto sofrido
Debaixo de uma mangueira

Sabem de nossa história
As crianças ao escutarem 
De seus pais e avós
Nas rodas e folguedos
As antigas canções e parlendas

Sabem de nossa história
Aqueles que de nós são próximos
De corações e mentes abertas
Ouvidos para ouvir sem medo
De juntos sofrer e chorar




Porto Alegre, 03 de setembro de 2016.

Foto: Vó Chica

Edu Cezimbra